Teatro House of Goddess

Prazo para captação:

De 01/01/70 até 31/12/16

Descrição

HOUSE OF GODDESS é uma obra de ficção inspirada em fatos reais. Um Musical que fará o público vivenciar os conflitos de personagens que circulam no universo de casas de shows e o crime internacional.

Quem Incentiva

Valor autorizado para captação:

R$ 6.611,60

Resumo

HOUSE OF GODDESS é uma obra de ficção inspirada em fatos reais. Um Musical que fará o público vivenciar os conflitos de personagens que circulam no universo de casas de shows e o crime internacional.

Objetivo

Realizar a criação, produção, os ensaios, montagem e temporada do espetáculo inédito no Brasil HOUSE OF GODDESS, um melodrama contemporâneo com músicas originais e dança. Destinada ao público jovem adulto, a peça retrata a realidade de profissionais do sexo que vivem no Reino Unido, especificamente em Londres. A pesquisa para escrever essa peça foi realizada pela autora Daniela Pisani de Campos (Ella Martines) em 2005.
O texto é um estudo sobre a feminilidade através de diversas facetas e tem como principal objetivo oferecer um olhar sobre o universo feminino, em especial sobre as mulheres que trabalham na indústria do sexo.
Sem cair em visões estereotipadas, procura-se encontrar o lado humano dos dramas que afligem todos os homens, independentemente de gênero, sexo ou raça, através de uma visão particularizada apontando para características únicas que compõe a psique de um indivíduo.
Dentre os principais objetivos do projeto, destacamos:
– Criação, produção, ensaios, montagem do espetáculo inédito no Brasil HOUSE OF GODDESS;

– Ensaios de segunda a sexta-feira, 8 (oito) horas diárias durante 3 (três) meses;

– Realização de temporada na cidade de São Paulo, em local a definir, durante o período máximo de 6 (seis) meses, totalizando 36 (trinta e duas) apresentações do espetáculo.

– Realizar um diálogo artístico entre São Paulo e Londres através da abordagem de um universo muito comum em Londres, mesclado com o tráfico de drogas, existente em ambas as cidades, Londres e São Paulo, numa história universal que fala sobre amor, paixão, sexo, vingança, poder, tensões familiares, crime, amizade, prostituição, traição, corrupção e o duplo amor-ódio.

– Realização de 5 (cinco) ensaios abertos seguidos de debates, gratuitos, para estudantes de teatro e interessados em geral, possibilitando ao público uma rica troca onde todos os presentes poderão contribuir com impressões, sugestões e críticas.

– Realização de 7 (sete) debates gratuitos após os espetáculos. Serão abordados temas como produção teatral, patrocínio, dramaturgia, além de questões sobre os temas da peça. Os debates são importantes para a aproximação entre artistas e plateia.

– Oferecer ingressos gratuitos para estudantes de faculdades de baixa renda, ONGs, deficientes físicos, auditivos e visuais.

– Distribuição gratuitamente programa do espetáculo contendo informações sobre a pesquisa dramatúrgica, a equipe de criação e o processo para a realização da montagem

– Criação de página no Facebook aberta onde será documentado o processo de criação do espetáculo. Haverá postagem de fotos, vídeos, desenhos, e tudo o que a equipe acreditar ser relevante para ser compartilhado. O leitor poderá comentar os posts, participando ativamente de cada passo do processo, tornando-se um “colaborador virtual”.

– Ampla divulgação de todas as ações nas redes sociais.

– Realização de promoções para atrair grupos que não vão ao teatro com frequência, resultando na formação de público e vasta divulgação nos meios de comunicação a fim de levar o maior número de pessoas ao teatro.

Nº do Diário Oficial

01400.014731/2015-87

Onde vai acontecer

São Paulo, SP, Brasil

Data de realização

Não definida

Público

HOUSE OF GODDESS oferece ao público a oportunidade ímpar de conhecer o universo de um clube de shows de strip-tease. Ele será um voyeur ativo envolvido em todo o emaranhado de conflitos e ações dos personagens. Ali, vivenciando a história de tão perto, ele passará por uma experiência rica e transformadora.

Destinada ao público adulto, estimamos que o público alvo alcance faixa etária de 18-65 anos. O musical deve atrair diversos grupos sociais, grupos sociais já que o texto trata de relações familiares, tem um vocabulário acessível e se apropria da palavra, canto e dança.

Descrição

HOUSE OF GODDESS é um texto original que utiliza a música para contar a história da protagonista Verônica e seu turbulento relacionamento com seu pai, George Vandal.

O Musical aborda diversos temas amarrados numa trama bem construída e é um espetáculo moderno e irreverente. Colocando 10 atores em cena, música ao vivo, numa encenação que remeta a um clube de strip-tease, HOUSE OF GODDESS vai transitar num universo muito rico e pouco visto nos palcos paulistas.

O público será convidado a adentrar nesse universo como participante ativo envolvido em todo o emaranhado de conflitos e ações dos personagens. Será revistado antes de entrar, como se estivesse realmente indo ver um show de pole dance. O cenário irá remeter a um clube burlesco, o público se sentará em mesas rodeadas por pole dances e dançarinas, irá testemunhar a trajetória da protagonista.

Destinada ao público adulto, o Musical se inspira na realidade de profissionais do sexo que vivem no Reino Unido, especificamente Londres. A pesquisa para escrever essa peça foi realizada pela autora Daniela Pisani de Campos (Ella Martines) em 2005. O texto aborda o universo feminino pelo olhar de uma protagonista mulher apresentando a rotina do seu trabalho na indústria do sexo. Sem cair em visões estereotipadas, procuramos encontrar o lado humano dos dramas que nos afligem, independentemente de gênero, sexo ou raça, abrindo para uma visão particularizada apontando para características únicas que compõe a psique de um indivíduo. O público alvo abrange uma faixa etária a partir de 18 anos. A peça atrai diversos grupos sociais já que o texto trata de relações familiares, tem um vocabulário acessível e se apropria da palavra, canto e dança.

Os expectadores irão testemunhar a história de Verônica, uma jovem anglo-brasileira, modificada após a morte da mãe e abandonada pelo pai inglês após a morte da mãe. A jornada da protagonista se inicia com a migração dela para o Reino Unido. Ela decide ir para a Inglaterra em busca de seu pai perdido, George Vandal. Ela sabe que ele é envolvido com o crime e esse é um dos motivos da morte de sua mãe. Ela está pronta para se vingar. Na sua busca pelo pai ela acaba passando por diversas situações, se apaixona e logo após ficar frente a frente com George, ele acaba sendo assassinado. Então, a protagonista se encontra entre a cruz e a espada: ela pode perdoar os assassinos ou continuar no mesmo violento ciclo de vingança que a tinha trazido para o Reino Unido.

A peça é contada e apresentada por George Vandal. O pai da protagonista é um narrador fantasma que intervém em algumas cenas ao longo da peça além de apresentar os personagens. Ele também narra determinados acontecimentos e é um dos músicos principais do espetáculo. A música no texto ocupa um lugar mais de exaltação do que de contar a história propriamente dita. É um momento mais pessoal de personagens chaves da trama repartidos com o público. As letras dão realce aos seus sentimentos e pode-se conhecer mais de seus conflitos, fantasmas e desejos mais íntimos.

Os figurinos vão ser fiéis aos trajes usados nesses lugares -mulheres sensuais e homens bem vestidos, com paletós, gravatas e sapatos sociais. A iluminação será precisa, recortada, havendo o uso de canhão seguidor para acompanhar a trajetória da protagonista e de seu pai, até o momento no qual as duas trajetórias irão se cruzar.

Download e material complementar

Como contrapartida social, além de todos os debates, no total 12 (doze) serem gratuitos propomos que das 36 (trinta e seis) apresentações, 8 (oito) sejam gratuitas para atrair para o teatro pessoas que normalmente não vão como uma ação formativa de plateia. Sugerimos também que outras 6 (seis) apresentações aceitem doação de alimentos como forma de pagamento pelo ingresso para depois serem distribuídos para instituições de caridade. 5 (cinco) ensaios abertos seguidos de debates aberto ao público. Retornando aos debates no que se refere à contrapartida social:

Os temas abordados no espetáculo são contundentes, universais, de extrema importância, atuais e necessários para serem refletidos e debatidos no nosso país. HOUSE OF GODDESS reflete temas sobre aspectos de caráter sócio antropológico: emigração, propondo assim um diálogo entre a cultura britânica e a brasileira a partir da vivência internacional da escritora. De uma maneira geral, a peça incorpora tudo isso; modernidade, irreverência e aborda temas tais como a reflexão sobre a emigração, emancipação da mulher na sociedade e valores atemporais cruciais ao ser humano: família, vingança, amor, sexo, amizade, traição, crime, prostituição, traição, corrupção e o duplo amor-ódio.

Num primeiro momento apresentamos a peça, HOUSE OF GODDESS, que apresenta os temas citados amarrados por uma trama bem construída capaz de entreter utilizando canto, dança e pole dance (remete à prática circense do Pole Chinês) que exploram diferentes recursos auditivos e visuais, permitindo entendimento abrangente. Uma peça de impacto que oferece diversos personagens representando pontos de vista diferentes sobre um mesmo tema. O público terá a oportunidade ímpar de conhecer o universo de um clube de shows de strip-tease. Ele será um voyeur ativo, como se estivesse envolvido em todo o emaranhado de conflitos que envolvem as ações dos personagens. Ali, vivenciando a história de tão perto, ele passará por uma experiência rica e transformadora.

Os debates de entrada gratuita realizados após todas as apresentações também são ações formativas de plateias. Após as apresentações dos espetáculos, os debates, com públicos diversos, sedimentam conteúdo e ajudam através de um diálogo crítico, criativo e experimental, a preparar e sensibilizar espectadores para refletirem sobre a experiência teatral vivenciada. Propomos 36 (trinta e seis) apresentações e doze debates após os espetáculos. Debates diversificados para abranger o grande público.

Temas que irão discutir desde produção teatral, patrocínio, dramaturgia contemporânea; até outros temas referentes à narrativa da peça como Strip-tease: uma forma de expressar a feminilidade e a sensualidade ou uma porta para prostituição?, queda da instituição família no século XXI, consumo de drogas no Brasil e na Inglaterra, emancipação da mulher no século XXI, violência contra a mulher, entre outros.

As discussões que oferecemos irão enriquecer a população brasileira por diversos ângulos. Visamos oferecer caminhos para espectadores refletirem sobre os temas e a partir daí, serem capazes de abordar esses assuntos com uma visão mais abrangente, estimulando assim a tolerância. Não podemos ter a pretensão em querer erradicar as problemáticas dos temas abordados da peça completamente, mas podemos refletir e adotar uma postura mais equilibrada e estimular a tolerância no que se refere a respeitar as diferenças que representam cada um de nós. A vivência teatral de grande impacto, seguida de debate pode estimular a tolerância, melhorando assim a qualidade das relações sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *